CONFIÁVEIS E EFICAZES DESDE 1990 

Especialistas em Assessoria em Intercâmbios Profissionais , Estágios , Validação de Diplomas no exterior & Imigração  há 31 anos.

 

Temos também um site apenas com depoimentos de pessoas iguais a você  e até de sua cidade que já viajaram conosco ,

leia em  www.intercambiobarato.tur.br

Somos a  única  agência  especializada de Intercâmbios Remunerados e Profissionais  do Brasil  desde 1990 que tem 8.000 RESULTADOS comprovados aos clientes.

Ajudamos a conseguir um emprego sério,honesto, idôneo e bem remunerado no exterior.

Adicione nosso novo Whats em sua agenda 11 9 4858 2000.

 

Pesquisamos no Google sobre notícias de imigração ilegal nos EUA....
Compare com a nossa proposta de ir LEGALMENTE = muito mais SEGURA e BARATA.
Fazer a coisa certa é sempre a melhor opção.


Mesmo com pandemia, mais de 7,6 mil brasileiros foram detidos ao tentar entrar ilegalmente nos EUA em 2020

Mesmo em ano de pandemia, 7.621 brasileiros foram detidos pelos serviços de imigração americanos enquanto cruzavam as fronteiras terrestres dos Estados Unidos sem documentos, para construir uma nova vida no país.

Os dados sobre brasileiros detidos no ano fiscal de 2020 (entre outubro de 2019 e setembro de 2020) foram obtidos nesta quarta-feira (14/10) pela BBC News Brasil.

Embora seja uma cifra menor em relação a 2019, quando o número de brasileiros detidos pelo Serviço de Proteção de Fronteiras e Alfândega dos Estados Unidos superou os 18 mil, um recorde, o número de 2020 é quase 5 vezes maior do que o registrado em 2018, quando 1,6 mil cidadãos do Brasil foram apreendidos nas fronteiras.

Em 2020, 94% dos brasileiros detidos nessa situação por autoridades americanas foram encontrados nos arredores da fronteira com o México, especialmente em El Paso (Texas), que em 2019 já se mostrava a principal rota ilegal de acesso de brasileiros ao país.

Restrições aos brasileiros

 

 

 

Para chegar à fronteira, parte desses brasileiros teve de driblar as dificuldades de viajar em meio à pandemia de coronavírus e encarar um aumento significativo das restrições dos americanos aos viajantes em geral - e aos brasileiros, em particular.

Embora seja ainda muito inferior ao contingente de migrantes do México ou da América Central, o fluxo de brasileiros indocumentados passou a preocupar autoridades americanas no final do ano passado.

Por isso, desde o fim de janeiro de 2020, o governo americano incluiu cidadãos do Brasil em um protocolo de segurança criado em 2019, que remete automaticamente de volta para o México migrantes indocumentados encontrados pelo serviço de fronteira.

Assim, os brasileiros teriam que esperar por meses em território mexicano pela resposta a um eventual pedido de asilo ou outros procedimentos migratórios americanos.

Antes, brasileiros recebiam uma ordem para se apresentar ao juizado de imigração em uma certa data, mas eram liberados para aguardar no território americano. Na prática, parte desses migrantes jamais comparecia ao juizado.

A mudança aconteceu apenas cinco dias antes de Waldir Ferreira da Silva fazer sua travessia pela fronteira entre o México e o Texas, com a mulher e a filha de 14 anos do casal.

Detido pela imigração, ele esperava poder enfrentar um processo de deportação em solo americano. Seu plano era ir até a Carolina do Norte, onde sua rede de contatos garantia que ele já teria emprego certo e poderia acumular um bom dinheiro, ainda que meses mais tarde fosse expulso dos Estados Unidos.

Não foi o que aconteceu. Como não quis voltar para o México, Silva e a família passaram 16 dias presos pelo serviço de fronteira, até serem embarcados em um voo direto para Minas Gerais. Assim, eles se tornavam parte de um outro protocolo adotado para restringir a entrada de cidadãos do Brasil nos Estados Unidos: a deportação sumária.

Desde o fim de 2019, o governo brasileiro passou a aceitar que os Estados Unidos fretassem voos para remeter ao Brasil cidadãos detidos na fronteira com o México de maneira expressa, sem esperar o processo de imigração ou de asilo. Esse tipo de deportação, em que brasileiros não têm o direito de se apresentar ao juizado, não era adotada pelos americanos desde 2006.

Desaceleração do fluxo e mudança de perfil
Os dados preliminares do órgão americano de Patrulha e Controle de Fronteiras mostram que o contexto internacional de pandemia e as restrições impostas pelos Estados Unidos alteraram o perfil dos migrantes brasileiros e reduziram o fluxo de entrada no país.

Enquanto em dezembro e janeiro do ano passado, o fluxo de brasileiros era contado às centenas por mês, e boa parte deles estavam em família com crianças, como era o caso de Silva, em abril de 2020, apenas 49 brasileiros tinham sido apreendidos na fronteira com o México. Todos eram adultos e estavam sozinhos.

Em números gerais, em abril de 2020, apenas 16 mil pessoas foram encontradas por autoridades americanas tentando migrar ilegalmente, um número considerado extremamente baixo para os padrões de migração da região.

Os dados de setembro de 2020, no entanto, apontam para uma clara retomada do movimento, com 58 mil pessoas detidas no período.

No total, 402,8 mil pessoas sem documentos tentaram entrar nos Estados Unidos no ano fiscal de 2020. O número representa uma queda de 65% em relação ao total de migrantes ilegais apreendidos em 2019. Considerados apenas os brasileiros, a queda na entrada de 2019 para 2020 foi de 58%.

==============================================================


MAIS DE 100 MIL MIGRANTES DETIDOS NA FRONTEIRA MÉXICO-EUA EM FEVEREIRO

As autoridades de fronteira dos EUA encontraram e prenderam mais de cem mil imigrantes na fronteira entre o país e o México nas últimas quatro semanas.


O número de migrantes presos na fronteira sul tem aumentado nas últimas semanas, causando alarme entre as autoridades que tem lutado para fornecer recursos para o aumento de menores e famílias que estão atravessando a fronteira sem a documentação exigida.

O aumento no número de migrantes contribui para um crescente senso de emergência que o governo Biden tem tido sobre o tema, que tem procurado reverter as políticas de imigração da administração Trump.


Os adultos solteiros respondem pela maior parcela das apreensões, mas o percentual de famílias e crianças disparou no mês passado, segundo autoridades. Desde abril passado, os serviços de Alfândega e Proteção de Fronteiras norte americanas têm visto um aumento no número de migrantes devido à piora das condições econômicas provocadas pela pandemia.

==================================================================

Brasileiro morre ao tentar entrar nos Estados Unidos pela fronteira com o México


Entre 2018 e 2019, o goiano já tinha tentado entrar três vezes nos Estados Unidos, mas não obteve sucesso. Dessa vez, ele comprou uma passagem para Cancun, no México, e entrou em contato com uma pessoa para lhe ajudar na imigração – função conhecida como “coiote”

 

Veja fotos aqui